Sábado, 28 de Outubro de 2006

Um sonho acordado

Deitei-me cansado
Virei-me pró lado
Puxei almofada
Ficaste acordada
Senti o teu braço
Tua mão no regaço
Puxaste ao de leve
Senti que era breve
Prendeste-me a ti
Depois que eu subi
O sono limpou
Outro sonho jogou
Pareciam mentiras
Porque tu me tiras
O pedaço a mais
Com carne tu vais
Brincando com ela
Olhando na janela
A lua se espanta
Com a semelhança
De lua tão cheia
Se acha que é feia
Senti teu sussurro
Teu bafo e um urro
Já estava molhado
E fiquei acordado
Na dança da mão
Não disseste não
Ficamos deitados
Ambos prostrados
Acordei cansado
E muito suado
De tanto lutar
Só para te amar
Logo estremeceste
Logo adormeceste
Virei-me pró lado
De corpo tombado
Esperei no alvor
De ti outro amor
Por ti outra vez
Mas com timidez
O tempo passava
Eu imaginava
Meu corpo no teu
Teu corpo no meu
Por fim terminou
Como começou
Deitei-me cansado
Virei-me pró lado
© Augusto Brilhante Ribeiro
tags:
publicado por Augusto Brilhante Ribeiro às 00:00
link do post | comentar | favorito

pesquisar

 

arquivos

Alguém

Apagou-se

Algemas

Um-doi-erdo-eito

Encontro anulado

Resposta ao refrão:

Relatório

A minha casinha

Novelo

Dor de parto

Um susto

Hora do desejo

Uma morte enamorada

Pétala de amor

O tempo que lhe restava

Chegou ao fim

Um bronze de verão

Foi como quiseste

Ai se eu pudesse

Epitáfio

Vi-te assim

Justificações

Sem tempo

Retrospetiva

A razão

Velhice

Provocações

Em coma

Alentejo

Dia de vento

Fui enganado

Extorquido

Rosas sem cor

Néctar

Longe de ti

Bem-vinda

Fingi que te amava

Basta!

No velho sobreiro

Metáfora do meu ser

Como gosto de ti

Não te vi

Atrás da janela

Desilusão

Mente vazia

Padrões

Minha vida

Pra vóvó

Abraça-me!

No regresso

Música Clássica
Previsão do tempo