Quarta-feira, 18 de Março de 2009

A Partida

 

Tu, que eras só ternura
Que ardias amor por fora
Que me queimavas por dentro
Porque partiste, mulher?
Escondida nas palavras
Dizes-me o que não quero
Falas-me de outro amor
Que outro já não espero
A fortuna do amante
Guardo-a na minha mão
Quanta tristeza eu sinto
Por te saber ausente
No meio da multidão
Hoje, solitário navegante
Sem rumo, sem empenho
Sem te ter mais a meu lado
Parto ao encontro de nada
Que nada é tudo o que tenho
Resto ainda e quero dizer
Que estou diferente
Sisudo, triste e ausente
Que penso e não me sei conter
De noite fico nostálgico
Durmo a pensar em ti
De manhã acordo cedo…
Não me sais do pensamento
Neste suspiro de vida
Nesta luta desigual
Cruel, injusta e sem sentido
Quero!
Pois claro que quero
Sentir e ouvir teu pranto
Quero que me perdoes
Por te ter amado tanto

© Augusto Brilhante Ribeiro

tags: ,
publicado por Augusto Brilhante Ribeiro às 22:40
link do post | comentar | favorito

pesquisar

 

arquivos

Alguém

Apagou-se

Algemas

Um-doi-erdo-eito

Encontro anulado

Resposta ao refrão:

Relatório

A minha casinha

Novelo

Dor de parto

Um susto

Hora do desejo

Uma morte enamorada

Pétala de amor

O tempo que lhe restava

Chegou ao fim

Um bronze de verão

Foi como quiseste

Ai se eu pudesse

Epitáfio

Vi-te assim

Justificações

Sem tempo

Retrospetiva

A razão

Velhice

Provocações

Em coma

Alentejo

Dia de vento

Fui enganado

Extorquido

Rosas sem cor

Néctar

Longe de ti

Bem-vinda

Fingi que te amava

Basta!

No velho sobreiro

Metáfora do meu ser

Como gosto de ti

Não te vi

Atrás da janela

Desilusão

Mente vazia

Padrões

Minha vida

Pra vóvó

Abraça-me!

No regresso

Música Clássica
Previsão do tempo