Domingo, 15 de Julho de 2012

Gafanhotos

De longe tão densos que já tapam

Como sombras de nuvens a correr

Gafanhotos famintos vão devorando

O que os pobres tinham para comer

 

De seguida, depois de nada haver

Lançam-se em magotes pelo ar

Voltam a zumbir até morrer

Ficando a destruição a encenar

 

Deixam resquícios de prazer

Restos de ceara pelo solo

Fome e miséria de se ver

Que ao poeta servirá de consolo

 

A criança não sabe a cor da fome

Seus pais que agora nada têm

Dão-lhe o que já ninguém come

Que a fome será seu entretém

© Augusto Brilhante Ribeiro

 

tags: ,
publicado por Augusto Brilhante Ribeiro às 00:00
link do post | comentar | favorito

pesquisar

 

arquivos

Alguém

Apagou-se

Algemas

Um-doi-erdo-eito

Encontro anulado

Resposta ao refrão:

Relatório

A minha casinha

Novelo

Dor de parto

Um susto

Hora do desejo

Uma morte enamorada

Pétala de amor

O tempo que lhe restava

Chegou ao fim

Um bronze de verão

Foi como quiseste

Ai se eu pudesse

Epitáfio

Vi-te assim

Justificações

Sem tempo

Retrospetiva

A razão

Velhice

Provocações

Em coma

Alentejo

Dia de vento

Fui enganado

Extorquido

Rosas sem cor

Néctar

Longe de ti

Bem-vinda

Fingi que te amava

Basta!

No velho sobreiro

Metáfora do meu ser

Como gosto de ti

Não te vi

Atrás da janela

Desilusão

Mente vazia

Padrões

Minha vida

Pra vóvó

Abraça-me!

No regresso

Música Clássica
Previsão do tempo