Quinta-feira, 1 de Novembro de 2012

À lareira

Chuva, vento e trovoada

O relógio bate as horas

São cinco da madrugada

Um relâmpago, um clarão

Deixa rostos de fantasmas

Em paredes humedecidas

Batem portas e o portão

No rego forma-se um rio

Com lama de aluvião

Crepita a brasa que aquece

Um velho em solidão

Sentado esfrega as mãos

A vida já lhe tirou

Muitos anos de ilusão

Rareia a luz que ilumina

Na boca só tem amargo

Do centeio que fez o pão

© Augusto Brilhante Ribeiro

 

tags: ,
publicado por Augusto Brilhante Ribeiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De mala_de_cartão a 20 de Dezembro de 2012 às 21:07

Comentar post

pesquisar

 

arquivos

Alguém

Apagou-se

Algemas

Um-doi-erdo-eito

Encontro anulado

Resposta ao refrão:

Relatório

A minha casinha

Novelo

Dor de parto

Um susto

Hora do desejo

Uma morte enamorada

Pétala de amor

O tempo que lhe restava

Chegou ao fim

Um bronze de verão

Foi como quiseste

Ai se eu pudesse

Epitáfio

Vi-te assim

Justificações

Sem tempo

Retrospetiva

A razão

Velhice

Provocações

Em coma

Alentejo

Dia de vento

Fui enganado

Extorquido

Rosas sem cor

Néctar

Longe de ti

Bem-vinda

Fingi que te amava

Basta!

No velho sobreiro

Metáfora do meu ser

Como gosto de ti

Não te vi

Atrás da janela

Desilusão

Mente vazia

Padrões

Minha vida

Pra vóvó

Abraça-me!

No regresso

Música Clássica
Previsão do tempo