Sábado, 15 de Agosto de 2015

A minha casinha

Por cima de cada telha

Outra telha deve estar

Uma porta bem aberta

Por onde devemos entrar

 

Um quarto para dormir

Uma sala de jantar

Na cozinha toda a louça

Uma banca prá lavar

 

Bem bonita que ela fica

Se cada parede pintar

Um jardim bem florido

Muita água pró regar

 

No laranjal vou colher

Laranjas para o jantar

Levo um cesto prás trazer

Uma escada prás apanhar

 

Se me faltar o pé

No galho vou-me agarrar

Até pareço o Tarzan

Pendurado a baloiçar

 

Todo o vizinho que a vir

Abre a boca de pasmar

Todo o invejoso vai querer

Sua casinha igualar

 

Tanta habitação se faz

Mais das vezes é um andar

Muitas são feitas depressa

Mas esta vai ser devagar

 

Agora que tenho uma casa

Que há muito andava a pensar

Vou nela passar a vida

Que me falta terminar

 

 

No verão depois de almoço

No alpendre vou ficar

Passarei por muitas brasas

Muitas vezes a sonhar

 

Atarei a corda à esteira

Nela me vou deitar

Não preciso de lençol

Fico de barriga pró ar

 

Vou dormir como criança

Com vento na cara a dar

Enxoto moscas com bufos

Assusto tudo a ressonar

© Augusto Brilhante Ribeiro

publicado por Augusto Brilhante Ribeiro às 00:00
link do post | comentar | favorito

pesquisar

 

arquivos

Alguém

Apagou-se

Algemas

Um-doi-erdo-eito

Encontro anulado

Resposta ao refrão:

Relatório

A minha casinha

Novelo

Dor de parto

Um susto

Hora do desejo

Uma morte enamorada

Pétala de amor

O tempo que lhe restava

Chegou ao fim

Um bronze de verão

Foi como quiseste

Ai se eu pudesse

Epitáfio

Vi-te assim

Justificações

Sem tempo

Retrospetiva

A razão

Velhice

Provocações

Em coma

Alentejo

Dia de vento

Fui enganado

Extorquido

Rosas sem cor

Néctar

Longe de ti

Bem-vinda

Fingi que te amava

Basta!

No velho sobreiro

Metáfora do meu ser

Como gosto de ti

Não te vi

Atrás da janela

Desilusão

Mente vazia

Padrões

Minha vida

Pra vóvó

Abraça-me!

No regresso

Música Clássica
Previsão do tempo